quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

EMATER INCENTIVA A PRESERVAÇÃO DAS CUIEIRAS EM SALVATERRA

Em Salvaterra, na Ilha do Marajó, um projeto da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) ajuda na preservação das cueiras, árvore nativa e em abundância na região, que vem sendo utilizada na fabricação de artesanato. Nas mãos de 16 mulheres que integram a Associação Educativa Rural de Joanes (AERJ), a cuia se transforma em bonecos, arranjos de parede e utensílios.
As mulheres atendidas diretamente pela Emater, por meio de chamada pública do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), residem na Vila de Joanes. Com a capacitação que vem recebendo, elas agora tem uma estimativa de acréscimo de pelo menos 20% na renda familiar. A maioria das mulheres, esposas de pescadores, desenvolviam apenas atividades domésticas. Para o desenvolvimento do artesanato elas participam de projetos produtivos elaborados pela Emater, pelos quais devem receber até R$ 2.400,00, financiados pelo governo federal. A primeira parcela do recurso já foi repassada.
 O artesanato produzido na AERJ, que também pode ser feito por encomenda e de forma personalizada, não só contribui com a renda das famílias, como não impõe nenhuma agressão ao meio ambiente. “Lá as mulheres utilizam também sementes para biojóias e ossos de peixes, da gurijuba e do bagre, para a fabricação de crucifixos. Tudo é coletado na natureza, contribuindo, portanto, com a preservação do meio ambiente”, diz a técnica social da Emater, Marli Bandeira.
 A produção das mulheres pode ser encontrada na sede da associação na Vila de Joanes, localizada à 3ª Travessa, entre 6ª e 7ª ruas, e também é levada a eventos expositivos, como feiras, dos quais elas participam. A Emater incentiva as associadas a alcançar novos mercados para expandir a comercialização. “Para isso a produção precisa ser maior e esse é um dos nossos objetivos”, enfatiza Marli.

Fonte: EMATER/ Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário