segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

VERGONHA DO QUÊ ?

Excelente texto publicado no Tábula Política, pela advogada paraense, Hilda Medeiros

Em 17 de dezembro de 1914, no Salão do Senado Federal, Rui Barbosa declarou:

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.”

Ao fazer este desabafo, Rui Barbosa estava defendendo o requerimento sobre o CASO SATÉLITE – uma chacina de presos – que ia de encontro a impunidade dos assassinos confessos, depois de quase quatro anos do fato criminoso.

Seria Rui Barbosa um profeta?

O inflamado discurso de outrora foi tão-somente uma observação do cotidiano que presenciava. Entretanto, ainda hoje, decorrido quase um século, a impunidade no Brasil perdura.

Onde está a novidade?

Trata-se apenas do reflexo da continuidade do triunfo das nulidades, da prosperidade da desonra, do crescimento da injustiça e do agigantamento do poder nas mãos de alguns poucos que – por deterem a trajetória da vida cotidiana ou profissional – não identificam no ato a responsabilidade que possuem. O que existe é uma inversão de valores. Hoje, o princípio subjaz nos abusados casos de corrupção no Congresso Nacional. Contudo, resta uma indagação: não estaria também entranhado em outros setores da vida nacional?

Poder nas mãos dos maus.

Será mesmo que a maldade é a delimitadora das ações dos poderosos? Não creio muito nisso, infelizmente. É simples demais. Acredito que quando homens públicos procedem na contramão da honra, agem como quem acredita que não é o cachorro que abana o rabo, mas o rabo que abana o cachorro. Conheço uma mulher de caráter excepcional que costuma dizer: a verdade está geralmente no meio do caminho.

Faça o que eu digo ou quero, não o que eu faço.

Na questão político-partidária, felizmente temos instrumentos para reciclar e fazer as mudanças que o poder do voto nos garante para extirpar esses “apêndices”, antes que supurem de vez. Entretanto, a cicatriz que fica é danosa para a sociedade, visto que – por causa de suas posturas infames – causam nas pessoas de bem, um desânimo crônico que aparecem por causa da suscetibilidade. Estamos carentes de bons exemplos. Conheço gente que dentro da própria casa é de um cuidado extremo com a limpeza, em compensação, joga lixo na rua e quando falo, afirmam: “temos que garantir trabalho para os garis”. Pra variar, eu rebato na hora: “isso é hipocrisia pura”.

Suscetibidade é a expressão de despeito ou de mágoas na pessoa que se julga ofendida pelo que outrem lhe diz. Puro melindre.

Verdade se diga: o mau exemplo é contagioso. Ronaldo – dito O FENÔMENO – pra ganhar com publicidade, esqueceu que era atleta e se tornou garoto-propaganda de cerveja. Convenhamos, é lícito, mas totalmente amoral. Em períodos eleitorais, eu sempre tenho motivos pra gargalhar, já que chorar não vai mudar o quadro. Vemos candidatos que passaram temporadas apontando o defeito um do outro e – como por encanto – basta uma reviravolta eleitoreira pra que sejam ouvidas declarações de amor de um lado a outro.

E, agora, o PEDIDO DE APOSENTADORIA do Senador da República Álvaro Dias, do PSDB/PR. Pedido, diga-se de passagem, TOTALMENTE LEGAL, mas de uma AMORALIDADE sem precedentes. Justamente durante o recesso legislativo, surge uma voz cálida, sussurrante no TWITTER... Voz composta de letras que vão tomando corpo, espaço e atingem o ápice da sonoridade muda da Rede Social. O movimento ENSURDECEDOR calou seus seguidores fiéis - sim, fidelíssimos.

O que dá rir, dá pra chorar. É só questão de peso e medida.

No Brasil agora é assim. SERVIDOR PÚBLICO vira DEUS ou SANTO ou PASTOR DE OVELHAS ou POP STAR. Os SEGUIDORES/FÃS se perdem na exegese básica da forma e do conteúdo. Esquecem que o que está AVILTANDO os ELEITORES TUCANOS não é o cometimento de alguma indelicadeza, mas sim a conduta AMORAL de um SERVIDOR PÚBLICO que - até pouco tempo atrás - recebeu prêmio no Congresso Nacional por ações de relevante valor social.

Não estou aqui para TAPAR O SOL COM A PENEIRA DA INDULGÊNCIA. Quem vem a público arvorar-se a recebimento de aplausos, elogios, prêmios e honrarias - como o próprio Luís Inácio Lula da Silva vive fazendo - não pode, EM HIPÓTESE ALGUMA, pretender que se atenue os efeitos da gravidade de uma FALTA. Sim, FALTA, visto que não houve o cometimento de um CRIME - que é infringir dispositivo legal.

Quem faz UMA, faz DUAS, faz TRÊS! E, assim, VIRA FREGUÊS!

A conduta do Senador paranaense Álvaro Dias é CENSURÁVEL, INOPORTUNA, AMORAL e INDIGNA para alguém que, em assim atuando, rasgou a própria biografia. Entretanto, ressalto, minha MANIFESTAÇÃO SE PRENDE AO FATO E NÃO A PESSOA DO CIDADÃO ÁLVARO DIAS.

N'um momento onde o Salário Mínimo não chega aos 600 reais, onde os Congressistas aumentaram seus salários e mordomias, onde uma região inteira - em especial a serrana - passa por dificuldades vitais de existência... E assim, NA CALADA DA NOITE, sem holofotes, manchetes, repercussão e propaganda pessoal.

Então, é isso. Vou seguindo pela vida observando o que todo mundo faz. Agora, deixe que diga, que pense, que fale... Deixe isso pra lá, vem pra cá, o que é que tem? Eu não não estou fazendo nada. Você também! Que ninguém reclame dos meus textos ou da minha opinião. Se quiser expressar a sua, comente o texto ou me prove que estou errada. O bom da internet é isso: aqui não precisa estresse, basta ignorar.

O PAU QUE DÓI EM CHICO, TEM QUE DOER EM FRANCISCO.

Estude. Interesse-se pelos grandes feitos do passado e seus autores. Largue mão desta idiossincrática existência, pois TUDO LHE DIZ RESPEITO. Se realmente acreditas que o que CONSOMEM EM BRASÍLIA não te afeta, é porque a tua IGNORÂNCIA não te permite saber que FAZEM FESTAS COM TEU DINHEIRO, VIAJAM COM A FAMÍLIA COM TEU DINHEIRO, MORAM EM MANSÕES COM TEU DINHEIRO, TEM CARROS IMPORTADOS COM TEU DINHEIRO...

Ahhh Achas que por não recolheres o Imposto de Renda não usam o teu dinheiro? - gargalhadas - No leite que compras, pagas imposto. No pão, idem. Carne, arroz, cerveja, cigarro, ônibus... Enfim, ACORDA! Estás sustentando VAGABUNDO - sinônimo de OCIOSO que nada mais é que o sujeito que nada faz de útil - E A FAMÍLIA E AMIGOS DELE.

Honestidade é virtude sim, contudo é também obrigação de cada um perante si mesmo e o próximo.

Colocar no mesmo texto Rui Barbosa com qualquer senador atual é até um ultraje, mas quem sabe alguém aprenda algo com isto.

Finalizando meu direito constitucional de OPINIÃO, eu digo: antes de ter vergonha de ser um brasileiro honesto, aprenda a captar as ondas básicas das condutas sem-vergonhas que existem por aí, inclusive a que tu mesmo cometes.

Até a próxima. A grandeza não consiste em receber honras, mas em merecê-las [Aristoteles].
HRM

http://tabulapolitica.meu-forum.com/vergonha-de-que-t57.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário