terça-feira, 9 de dezembro de 2014

CRIADORES DE GALINHA CAIPIRA DE PORTEL USAM MATERIAL RECICLADO

Imagem meramente ilustrativa
Dez famílias de Portel, no Marajó, estão usando garrafas pet, canos pvc, baldes velhos e potes vazios de goiabada como bebedouros e comedouros na criação comercial de galinha caipira.
 A iniciativa, orientada pelo escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), poupa um gasto de R$ 30 a R$ 40 por recipiente industrializado.
Beneficiários do programa Brasil Sem Miséria, os agricultores começaram a atividade em setembro, sob um padrão de 100 pintos “caipirão” e um galinheiro de 21 m² construído também com aproveitamento de resíduos do dia-a-dia das próprias propriedades, como palhagem e madeira. Oito são moradores das margens dos rios Acutiperera, Camarapi e Pacajá e dois, da estrada Portel-Tucuruí.
“Proporcionalmente, são necessários oito comedouros e oito bebedouros, mais dois comedouros infantis e dois bebedouros infantis para os pintos menores. A economia é muito grande, porque o material reciclado sai todo de graça”, explica o engenheiro agrônomo da Emater Márcio Williams Borges.
Completados 90 dias, os animais podem ser comercializados, quando já ter alcançam de dois quilos e duzentos gramas a dois quilos e meio.
O objetivo é complementar a renda das famílias e, além, assegurar um reforço na alimentação delas mesmas.

Fonte: EMATER

Nenhum comentário:

Postar um comentário